Com o objetivo de fortalecer as relações do estado em busca da consolidação de liderança no mercado de fertilizantes, o Governo de Sergipe participou nesta sexta-feira (21) de uma videoconferência juntamente com a Embaixada do Brasil no Marrocos e as empresas OCP e Unigel. Estabelecendo contatos iniciais com o intuito de atrair investimentos, a equipe do governo esteve representada por gestores e técnicos da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), além dos parceiros do escritório Machado Meyer e da consultoria Mastersenso.

O Marrocos é uma das maiores potências mundiais no setor de mineração de fosfato, processamento de ácido fosfórico e fabricação industrial de fertilizantes fosfatados. Com o suporte da Embaixada, o Governo do Estado vem estreitando o diálogo junto à empresa estatal marroquina OCP, que detém o direito exclusivo à mineração de rocha de fosfato em seu país e vem ampliando sua presença no Brasil. O grupo Unigel, responsável pela recente reativação da fábrica de fertilizantes de Laranjeiras (antiga Fafen), vem participando das tratativas e visa estabelecer vínculos comerciais com a companhia.

A videoconferência acontece dias após o anúncio do projeto de desenvolvimento do Polo de Fertilizantes de Sergipe. A reunião acompanha, ainda, o contexto de construção do Plano Nacional de Fertilizantes, atualmente em andamento sob a condução de um grupo de trabalho interministerial. Ambos os esforços confluem para o objetivo de reduzir a dependência do agronegócio brasileiro em relação aos fertilizantes importados.

O embaixador do Brasil no Marrocos, Julio Glinternick Bitelli, demonstrou otimismo diante das perspectivas de colaboração institucional e comercial entre Sergipe e Marrocos. “Estamos absolutamente confiantes nessa parceria. Agradecemos à OCP e ao Governo de Sergipe, que desde o começo mostrou grande entusiasmo no projeto”, destacou durante a abertura da conferência.

O superintendente executivo da Sedetec, Marcelo Menezes, pontuou as potencialidades do estado no ramo de fertilizantes. “Sergipe possui diferenciais por já ter uma planta de amônia e ureia e um projeto de produção de potássio em funcionamento, além da existência de um terminal de GNL, da oferta de gás offshore abundante e da posição geográfica privilegiada para atendimento de regiões com grande consumo de fertilizantes. Esses elementos possibilitarão a consolidação do polo de fertilizantes de Sergipe”, afirmou Marcelo, cuja fala antecedeu a exposição técnica do consultor da Mastersenso, Alan Hiltner.

O vice-presidente Brasil da OCP, Fahd Benkirane, assim como outros representantes da companhia, fez comentários e perguntas a respeito da explanação, e manifestou interesse sobre as oportunidades oferecidas pelo estado. “A OCP agradece ao estado de Sergipe, à Unigel e à equipe da Embaixada do Brasil no Marrocos. Estamos animados pelo potencial desse projeto e gostaríamos de levá-lo às próximas etapas para reunir mais detalhes”, pontuou Benkirane.

Já o CEO da Unigel, Roberto Noronha, demonstrou interesse da companhia na parceria para desenvolvimento de novos negócios no Estado. Enfatizou o apoio da administração estadual na retomada das operações da fábrica de fertilizantes, hoje denominada Unigel Agro SE. “O Governo de Sergipe tem sido de muito auxílio para que tenhamos conseguido iniciar as operações no estado, e esse deve ser nosso testemunho para a OCP”, sublinhou.

A continuidade dos diálogos foi um dos encaminhamentos da reunião, assim como a programação de eventuais visitas de campo. A conferência contou com a participação e contribuição do secretário da Sedetec, José Augusto Carvalho, e do consultor da Machado Meyer, Diogo Teixeira, que também realizaram intervenções. Participaram ainda outros representantes da OCP, da Embaixada do Brasil do Marrocos e da Unigel.

OCP

A OCP (Office Chérifien des Phosphates) é uma empresa de economia mista com 95% de capital estatal, que atua na produção de fertilizantes fosfatados em complexos industriais modernos e integrados a zonas de mineração. A companhia é considerada uma das maiores do Marrocos, em termos absolutos. A empresa vem afirmando sua intenção de estabelecer acordos estratégicos com o Brasil, visando materializar investimentos na produção de fertilizantes fosfatados com nitrogênio e amônia, a partir de plantas industriais nacionais.